domingo, janeiro 16

Sporting 2-3 Paços

Acabo de chegar de Lisboa, com uma alegria enorme pelo resultado do Paços. Num autentico festival, o Paços venceu num estádio sempre complicado, e conquistou 3 importantes pontos rumo à manutenção. Samuel com um golo de levantar qualquer estádio, Manuel José de penalty e Pizzi numa excelente jogada colectiva, selaram uma vitória memorável.





Esta vitória merecia mais pacenses nas bancadas de Alvalade. Para quem foi, fica a enorme alegria por lá vivida. Para quem não foi, compareçam em massa terça feira em Braga e pensem bem, se vale a pena ser adepto de clubes ditos "grandes", quando na vossa terra têm um GRANDE CLUBE.

5 comentários:

Anónimo disse...

Uma vitória épica. Parabéns aos que lá estiveram, porque nunca deixam de acreditar e acompanham sempre. Esta vitória só vem ajudar a que sejam cada vez mais. Parabéns à equipa, porque fez uma exibição irrepreensível. VIVA O PAÇOS !!!

Propek disse...

Foi um excelente jogo feito por parte do Paços de Ferreira, gostei de ver bastante.
Sou benfiquista, mas como é que o David Simão marca os cantos ? Sairam todos mal...
Já o Nélson Oliveira gostaria de o ver jogar mais vezes, pois vê-se que tem muita qualidade.
O golo do Samuel, vai ser o golo do mês, certamente, nunca mais faz outro

http://benditasortedeserbenfica.blogspot.com/ troca de links ?

Anónimo disse...

grande Paços!

ZeMoreira disse...

Isto é que foi uma deslocação em grande pessoal! POUCOS MAS MUITO BONS! Grande apoio que dêmos...
Uma mostra da nossa mentalidade, foi sempre a puxar malta... Isso mesmo!!!
CARREGA YELLOW!!

Anónimo disse...

Pode seguir o jornalista Luís Sobral no Twitter, aqui.

O jogo de Alvalade foi bom.

E só foi bom porque o Paços de Ferreira desejou que ele fosse bom.

Como no jogo da primeira jornada, o Paços de Ferreira entrou em campo a pensar que podia vencer. Preparou-se para isso, com as suas armas.

Teve o árbitro e a inspiração a seu favor. É verdade. Mas o que motiva os maiores elogios é a reacção depois do 2-2. Foi nessa altura que o Paços de Ferreira demonstrou de que material é feito.

Rui Vitória não se escondeu, mexeu bem no «onze» e acabou por ganhar em Alvalade, com mérito. Mesmo que tivesse empatado, o essencial continuaria à vista de todos.

O Paços, de resto, é um clube honesto, com os pés na terra, que tem dado à Liga equipas bem trabalhadas, dignas e com uma ideia arejada sobre o que é jogar com os grandes. E, já agora, sem notícia de dívidas e ainda com tempo e disponibilidade para apostar em jogadores portugueses.

Podia ser sempre assim.